Blog

concorrência desleal

3 Exemplos de concorrência desleal que você pode enfrentar e não sabe

O mercado consumidor, seja em qual ramo for, está cada vez mais competitivo e agressivo. É preciso buscar opções e novas maneiras para se destacar e conquistar mais clientes.

Como se isso não fosse desafiador o suficiente, há outro aspecto do mercado atual que todo empreendedor pode enfrentar: a concorrência desleal. Dentro desse aspecto há ainda um fator agravante: nem sempre o empreendedor percebe que está enfrentando esse tipo de concorrência.

Para driblar a concorrência desleal e evitar danos ao seu negócio, no blog post de hoje falaremos sobre 3 exemplos de concorrência desleal e como você pode lidar com eles. Confira!

Mas afinal, o que é concorrência desleal?

A concorrência desleal pode ser definida como uma prática ilícita de mercado, na qual utilizam-se técnicas ilegais e até mesmo abusivas para angariar clientela, em prejuízo dos seus concorrentes.

Trata-se de um desvio de conduta moral, com violação dos princípios da honestidade comercial, da lealdade, dos bons costumes e da boa-fé. A concorrência desleal pode trazer consequências legais cíveis e criminais. Para quem a pratica é o ressarcimento de prejuízos, indenizações por perdas e danos e a aplicação de penas criminais.

Exemplos de concorrência desleal:

  1. Confusão entre produtos ou estabelecimento

Essa é a forma mais comum de concorrência desleal. Nesta prática há, muitas vezes, uma espécie de plágio, no qual a empresa desleal utiliza um nome ou uma marca parecida. A imitação pode conter uma semelhança ortográfica e/ou fonética e/ou visual.

O foco nesse caso é confundir intencionalmente o cliente. Este, que embora pense em determinado produto ou estabelecimento já conhecido e identificado por uma marca, acaba por comprar outro produto ou ir a outro lugar semelhante. A ideia é induzir o consumidor ao erro.

  1. Denigração do concorrente

Denegrir a marca do concorrente é outro exemplo de concorrência desleal. A depreciação dos produtos, bens ou serviços do empresário rival tem por objetivo prejudicar o negócio dele.

Na era digital fica ainda mais fácil para os empresários desonestos praticarem esse tipo de concorrência. A internet facilita a divulgação de informações que possam denegrir um concorrente, principalmente se forem usadas as redes sociais. Nelas facilmente as informações são vistas, compartilhadas e até viralizadas. Desta forma, a imagem de uma empresa pode sofrer danos graves e até mesmo irreparáveis.

  1. Concorrência parasitária

A concorrência parasitária é uma modalidade de concorrência desleal menos agressiva, porém muito perigosa porque se instala de forma quase despercebida. Nessa prática, o concorrente desleal, o parasita, obtém a clientela sem nenhum esforço, apenas se aproveita do sucesso de alguém.

A conduta do parasita consiste em esperar que outro empresário lance seu produto para posteriormente copiar, sem ter que gastar com pesquisas, testes e publicidade, já que todo este trabalho foi feito por quem está sendo parasitado.

Em seguida, o parasita lança um produto similar com preço mais baixo no mercado. E, apesar do produto ser de qualidade inferior, passa a captar passivamente a clientela da empresa parasitada.

Como proteger a sua organização contra isso

Diante de todos os perigos que a concorrência desleal pode oferecer, a forma mais efetiva de se proteger é fazendo um monitoramento constante do uso da sua marca.

Quer saber mais sobre o assunto? Conheça o Fixar Play. Nossa marca é cuida da sua!

Compartilhe: